O material que ficou de fora de Bioshock Infinite dava pra fazer mais 5 jogos

Quando um jogo/filme/livro ou qualquer outra obra é produzida, é normal que haja um corte grande de material antes da sua finalização. Muita coisa é filmada e não é vista nos cinemas, por exemplo – Prometheus teve horas de material cortado e exibido apenas no seu Blu-Ray/DVD.

Em entrevista ao Polygon, Bill Gardner, da Irrational Games, disse que a quantidade de material cortado de Bioshock Infinite dava pra fazer não um, ou dois, ou três novos games – mas 5 ou 6 títulos próprios.

Nós cortamos material o suficiente pra fazer cinco ou seis games completos. É alarmante. Quer dizer, dói quando você fala sobre cortar um dos seus bebês, mas no fim de tudo você precisa focar no produto final. Um ano depois o público não vai se importar e, eventualmente, você também não“, disse Gardner.

Outra coisa curiosa sobre o desenvolvimento do game é que, quando Bioshock Infinite começou a ser idealizado, a ideia era colocar o game no período do Renascimento. O motivo da mudança da estética? Assassin’s Creed 2. “Eles foram mais rápidos“, disse o ex-chefe do projeto.

Veja também: 

Enquanto Bioshock Infinite não chega às lojas, confira o mais recente trailer do game, lançado hoje e focado em Elizabeth:

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...