Nintendo libera cross-play entre o Wii U e outras plataformas

pure chess ripstone

Phil Gaskell, o diretor criativo da Ripstone (estúdio responsável por Knytt Underground), revelou em entrevista ao Eurogamer que a Nintendo permitiu a funcionabilidade de cross-play entre o Wii U e outras plataformas para o modo multiplayer de Pure Chess, novo game do estúdio.

De acordo com Gaskell, o jogo sairá para Wii U, 3DS e aparelhos iOS e Android e terá a possibilidade de jogar xadrez contra adversários que não usem o mesmo console que o usuário (por exemplo, alguém com o Wii U poderá enfrentar alguém que estiver usando um smartphone Android). E a lista de plataformas do Pure Chess ainda deverá aumentar:

[quote]Eles [Nintendo] disseram que ok, sem problemas, nós podemos colocar jogadores de outros consoles jogando contra o Wii U, jogadores de smartphone contra o Wii U também. Nós ainda estamos conversando com a Sony para que eles relaxem um pouco as políticas que possuem, mas não achamos que eles terão algum tipo de problema com isso. Quando lançarmos o Pure Chess, vocês serão capazes de jogar contra alguém no Wii U, 3DS, iOS ou Android e quando lançarmos o patch para o PlayStation, os video-games da Sony entrarão nessa lista também[/quote]

A informação é relevante não só pelo Pure Chess me si, mas porque mostra uma ação da Nintendo na tentativa de facilitar o desenvolvimento de títulos para o Wii U. Se a empresa japonesa libera o console para cross-play com outras plataformas, isso significa que os desenvolvedores podem não precisam de servidores separados para o Wii U e são incentivados a lançar seus títulos para o novo console da Nintendo também, na tentativa de abranger um público maior – além de ser um incentivo à compra do Wii U pro público também. Afinal, a possibilidade de jogar com os amigos que possuem outros consoles não deixa de ser um atrativo.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...