Fundador da Eidos: “A Square-Enix precisa aprender a vender seus jogos”

No último ano fiscal, a Square-Enix lançou no mercado internacional três grandes jogos: Sleeping Dogs, Tomb Raider e Hitman: Absolution. Todos eles como publisher, não como desenvolvedores.

Um ponto curioso sobre esses três jogos é que todos receberam reviews bem positivas da imprensa especializada, além de uma reação positiva por parte dos consumidores também.

E então vem a surpresa de que a Square-Enix fechou o ano no vermelho, o que resultou na demissão do presidente da empresa. Como isso foi possível?

O co-fundador da Eidos, Stephane D’Astous, deu uma entrevista ao Polygon explicando a sua saída da empresa e aproveitou para criticar um pouco a gigante japonesa que hoje é dona da Eidos.

De acordo com D’Astous, a Square-Enix não sabe vender seus jogos:

[quote]Eles tem de aprender alguma coisa sobre como vender seus jogos. Nós levamos três jogos AAA para o mercado e, apesar desse grande conteúdo e das ótimas críticas, nós ainda assim não conseguimos cumprir as nossas metas financeiras, então isso foi um grande choqoue para as pessoas. Quando os resultados fiscais saíram oficialmente, nós estivemos todos surpresos. Nós estamos numa situação em que temos grandes jogos que poderiam ter vendido mais. Eles precisam atacar esse problema muito, muito seriamente. O ano passado era pra ser um ano campeão, mas a gente não marcou nenhum golaço: talvez um ou outro golzinho, mas nenhum golaço*[/quote]

Sobre a sua saída da Eidos Montreal, o estúdio que ajudou a fundar, D’Astous culpou a divisão que ainda existe dentro da Square, que coloca a gigante japonesa afastada da Eidos. O game designer disse que, apesar de ter dedicado seu sangue, lágrimas e suor à Eidos Montreal por seis anos, os crescentes problemas com a Square fizeram com que não desse para continuar na empresa.

[vejamais]

+ sobre a indústria japonesa:

[/vejamais]

Como um fã de longa data da Square-Enix, eu sinceramente espero que a empresa consiga resolver seus problemas internos para conseguir voltar a ter sucesso financeiro. Dos jogos lançados ela empresa no último ano fiscal, eu joguei Tomb Rider e Hitman: Absolution (ambos feitos na verdade pela Eidos) e foram jogos muito interessantes. Nesse novo ano, a empresa japonesa tem Thief 4 e Final Fantasy XV para lançar, além de outros jogos menores. Mais um ano que tem tudo para dar certo, se a Square conseguir se encontrar na vida.

*NT: Originalmente, Stephane D’Astous usa gírias do baseball na fala. Ele diz que a Square não fez nenhum “home-run” e outros termos do esporte. Pra ficar de compreensão mais fácil pra quem não manja do esporte, preferi deixar como “golaço”.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...