Falta capacidade à indústria nacional para a Nintendo produzir seus consoles no Brasil

Leandro de Barros

  segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Falta capacidade à indústria nacional para a Nintendo produzir seus consoles no Brasil

Reggie Fils-Aime, presidente da Nintendo of America, comenta a situação da Big N no Brasil

Em entrevista ao Bloomberg, Reggie Fils-Aime (presidente da Nintendo of America) revelou que a Nintendo possui um gigantesco chefão na frente do seu crescimento financeiro na América Latina: o Brasil.

Para Reggie, o Brasil é um dos principais alvos da Nintendo para o crescimento dos negócios da empresa na América Latina, mas apesar do “enorme potencial” do país, as ações da empresa esbarram nos impostos de importação de video-games por aqui.

Recentemente, apenas à título de exemplo, pudemos ver como o PS4 da Sony acabou custando cerca de R$3999 graças às taxas de importação que a Sony enfrenta ao trazer o video-game para o Brasil.

Como os políticos nacionais não cansam de repetir, esses impostos existem para fortalecer a indústria nacional (e ao contrário do que a maioria das pessoas costuma achar, a ideia não é fortalecer empresas nacionais que produzam video-games por aqui, mas “forçar” que as gringas abram filiais para produzir esses produtos no Brasil). E é justamente aí que reside o problema.

Segundo Fils-Aime, a Nintendo já estudou começar a produzir alguns dos seus consoles por aqui, mas a indústria nacional não possui capacidade técnica para produzir os sistemas da Big N: “Para produtos complicados isso não é sempre fácil de fazer. Já avaliamos essa possibilidade uma série de vezes”.

Isso sem falar daquele relatório da própria Nintendo sobre a pirataria no país.

PELO LADO POSITIVO, mostra que que há o interesse de todas as desenvolvedoras de consoles de fincar raízes no Brasil (mesmo a casa do Mario não vindo pra BGS 2013). Tanto Sony quanto Nintendo expressaram o desejo de produzir por aqui, enquanto a Microsoft já fará isso com o Xbox One. Sabendo quais são os problemas, talvez seja mais fácil corrigí-los.

PELO LADO NEGATIVO, toda essa pose de bem intencionada entra em conflito justamente com as ações da Nintendo. Afinal, já faz um ano que o Wii U está disponível na Europa, no Japão, nos EUA e em outros mercados, mas ainda não deu as caras no Brasil de maneira oficial. Se a Microsoft consegue produzir o Xone aqui, se a Sony se esforçou para trazer o PS4 na mesma época do lançamento mundial e já prometeu começar a produzir o video-game por aqui o mais rápido possível, será mesmo que não há NADA que a Nintendo possa fazer para vender o Wii U em terras de Pindorama? Tudo bem que a Big N não tem fábrica por aqui (e as outras já possuem!), mas será mesmo que não dá para trazer o console pra cá? Oficialmente , o Wii U é montado em instalações da Foxconn na China (que possui filial no Brasil!), mas o custo da mão de obra por aqui é bem mais caro do que por lá – e talvez isso pese mais do que a capacidade técnica da indústria nacional.

Em uma notícia relacionada, a Nintendo soltou um comercial do Nintendo 2DS, seu novo portátil. Confira:


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários