Criador de Flappy Bird sofre ameaças de morte após retirar game da App Store

Leandro de Barros

  segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Criador de Flappy Bird sofre ameaças de morte após retirar game da App Store

Ameaças foram feitas no Twitter após retirada do jogo da App Store e da Play Store

Flappy Bird

Nos últimos dias, uma nova febre em formato de jogo de celular chegou ao 3º planeta a partir do Sol: Flappy Bird.

Se utilizando de gráficos de games como Super Mario, o título apresenta um viciante e divertido sistema de jogo e chegou a render cerca de $50 mil dólares por dia de publicidade para Dong Nguyen, criador de Flappy Bird. Porém, contudo e todavia, depois de dezenas de “cópias” inundarem as lojas digitais de aplicativos para smartphones e de um tremendo “escrutínio público na Internet”, o desenvolvedor achou por bem retirar o game da App Store nesse fim de semana, com a dramática declaração que “eu não aguento mais”.

Num exemplo incrível de humanidade, a ~galera~ do Twitter mostrou todo o carinho, compaixão e empatia que conseguem reservar para outro ser humano, passando então a fazer ameaças de morte à Nguyen e sugerir que ele se matasse .

O Develop registrou algumas das ameaças mais sérias, que incluem frases como “Vai se f*der, seu c*zão, eu vou te matar se precisar. Coloque Flappy Bird de volta ao mercado ou receio que eu terei de te encontrar“; “É melhor que você não tenha deletado Flappy Bird porque eu vou te matar se você deletou” e também “Você é um v*adinho do c*ralho! E o seu game é uma merda. Mas você ainda é um v*adinho, se mate“.

E é esse o nível da Internet hoje em dia. As pessoas estão ameaçando as outras de morte por causa de FLAPPY BIRD. Depois a gente diz que a geração criada na Internet perdeu totalmente a noção e o peso das palavras que dizem e falam que nós somos injustos.

Até o momento dessa nota, o game continua ausente da App Store e da Play Store.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários