Cerca de 95% das missões de Watch Dogs poderão ser completas sem dar um tiro

Leandro de Barros

  segunda-feira, 07 de outubro de 2013

Cerca de 95% das missões de Watch Dogs poderão ser completas sem dar um tiro

Diretor do jogo revela que poucas missões irão exigir que o jogador adote uma postura mais agressiva e mate pessoas dentro do jogo

Com as melhorias tecnológicas e o desenvolvimento de novas engines e técnicas dentro da indústria dos games, uma das características mais legais que os games de stealth passaram a ter é a capacidade de zerá-los sem precisar matar um inimigo que seja.

Em 2012, grande parte da campanha de marketing do lançamento de Dishonored (da Arkane Studios) envolvia o fato do jogador possuir uma gama tão grande de possibilidades para o cumprimento de cada missão, que ele não precisaria derrubar uma única gota de sangue para finalizar a história de Corvo.

Nesse ano, Splinter Cell: Blacklist também possui esse tipo de “oportunidade” no seu modo campanha. Com o uso de técnicas de stealth e armas de força não-letal, o jogador pode guiar Sam Fisher por toda a trama do jogo sem que nenhuma vida seja perdida.

Agora, em entrevista ao Polygon, o diretor de Watch Dogs, Dominic Guay, revelou que o novo game da Ubisoft vai “quase” possibilitar que o jogador finalize a campanha sem dar um único tiro:

Cerca de 95% das missões podem ser completadas apenas com stealth, ou fugindo ou perseguindo alguém sem precisar atirar. Então, a abordagem será definida pelo jogador. Existe um número muito, muito limitado de missões que forçarão o jogador a matar alguém

Aparentemente, o segredo será utilizar o máximo das capacidades hacker de Aidan Pearce dentro do game, para conseguir cumprir seus objetivos sem precisar distribuir balas por aí. Ou então sentar o dedo do gatilho mesmo, já que a opção é sua.

[nggallery id=913]

Watch Dogs chega para PC, PS3, PS4, Wii U, Xbox 360 e para Xbox One no fim do ano.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários