The Amazing Spider-Man: Game

Um pouco antes do lançamento do filme O Espetacular Homem-Aranha, o game que acompanha o filme fora lançado, algumas semanas antes da estreia oficial. The Amazing Spider: Game, o jogo, prometia trazer a filosofia do mundo aberto e a liberdade dos movimentos do Homem-Aranha de volta ao mundo dos games, coisa que havia se perdido nas últimas produções para os consoles, como Shattered Dimensions e Web Of Shadows. Sim, essa filosofia voltou e aliada à narrativa e às inúmeras horas de jogo, deixou o jogo ainda mais espetacular que o filme.

Enredo

O jogo não narra a mesma história do filme, isso é um fato. Nessa Manhattan, fazem 2 meses desde o incidente que criou o Lagarto, vulgo Dr. Connors, resultando em sua prisão depois de alguns infelizes acontecimentos urbanos. Mas agora, só o físico que foi professor de Peter nos quadrinhos pode ajudar a conter a ‘epidemia’ da genética das espécies que está transformando os cidadãos da ilha em aberrações, tais como as que criaram o Lagarto, em primeiro lugar. Não somente com a transformação dos cidadãos, o Aranha também precisa conter os vilões que também foram originados pelos experimentos da Oscorp.

Afinal, a empresa que fora controlada por Norman Osborn é a grande responsável pelas recorrências da aberração genética na cidade, pois resolveu dar continuidade ao trabalho de Connors. Como foi dito antes, os roteiristas resolveram atribuir a origem de cada personagem única e exclusivamente ao soro e às experiências com a genética de diferentes espécies. Isso pode ter sido um erro, afinal, há muito a ser explorado nesse sentido. Rhino, Ratos e Escorpião são os chefões do game, entre muitos outros, como os robôs criados pelo novo presidente da Oscorp para conter as ameaças dos malfeitores com genética cruzada com outra espécie.

E assim como no mundo real, os cidadãos de Manhattan tem direito a ter uma opinião, que no jogo é mostrada numa ‘rede social’ durante as telas de carregamento, o que foi uma inovação muito interessante.

Jogabilidade nos combates

Para combater os ladrões e os vilões já citados, o Homem-Aranha conta com uma dinâmica de combate excelente, baseada na de Batman:Arkham City. Mas isso não é motivo para torcer o nariz; a escolha se mostra bastante acertada, e ao combatermos o crime na pele do aracnídeo conseguimos identificar isso muito bem, com os movimentos radicais e pirotécnicos do Homem-Aranha, seja no ataque ou no famoso ‘counter’.

Algo muito interessante que foi acrescentado à jogabilidade foi a possibilidade de trucidar seus inimigos com os ataques stealth, nos quais eles são pendurados no teto ou enrolados na teia do Aranha, o que é algo que os fãs vêm esperando acontecer há muito tempo !

Balançando por Manhattan

Realmente, a parte em que o Homem-Aranha se balança pela ilha de Manhattan pode ser considerada um dos pontos mais positivos do game. Seja pelos gráficos muito bem feitos ou pelos novos controles, jogar teias nos arranha-céus da cidade nunca foi tão divertido assim. Com a  adição dos botões como o Web Rush e Qick Web Rush, os vôos do Aranha pela cidade não poderiam ter sido melhor aproveitados !

Missões

Há vários tipos de missão no jogo: as principais, que contam a história; os assaltos, clássicos, presentes em todos os games de mundo aberto já feitos do Aranha; as missões de fotografia, nas quaisvocê tem que tirar fotos de certos itens para uma jornalista que te ajudará a ganhar boa popularidade nos jornais (não somente na missão em si, mas você tem a liberdade de tirar fotos de todo e qualquer elemento que você quiser, apertando apenas um botão); as missões em que você é filmado para fazer poses e as missões de ‘patrulha’, nas quais o Homem-Aranha deve investigar alguns edifícios e instalações à procura de algo suspeito, e que também pode estar ligado às missões de fotografia.

Há também a coleta das páginas dos quadrinhos antigos do Aranha, que podem ser visualizadas no menu dos extras conforme forem sendo coletadas (ao todo, são 500 páginas e mais 200 colecionáveis, aumentando ainda mais a experiência de jogo).

Conclusão

Enfim, todos os aspectos aqui citados contribuíram para o divertimento que dura 30 horas em média, 30 horas de pura ação e de uma trama involvente envolvendo o Homem-Aranha por mais um capítulo de sua vida. Um capítulo, que mesmo se passando depois dos acontecimentos do filme, é muito mais divertido do que aquele que no filme foi mostrado…Ou seja, é um bom game.

Produzido pela Beenox e pela Gameloft, The Amazing Spider-Man: Game foi lançado para Xbox 360, Playstation3, Nintendo DS, Nintendo 3Ds e Wii. A versão testada na análise foi de Xbox 360.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...