Adolescente norueguês joga video-game por 16 horas e vai parar no hospital em coma

Leandro de Barros

  segunda-feira, 24 de março de 2014

Adolescente norueguês joga video-game por 16 horas e vai parar no hospital em coma

Garoto fica 16 horas se entupindo de Call of Duty e energético e aprende uma grande lição na vida

CoD GhostsA Noruega pode ser uma país incrível, líder no ranking de IDH do mundo e ter um bom desempenho nos índices de medição da qualidade da educação do lugar, mas nem toda essa excelência consegue evitar os adolescentes de agirem como adolescentes.

Henrik Eide Dahl, de 14 anos, foi jogar Call of Duty com os amigos na escola e agiu como uma criança sem noção de moderação faz nessas situações: fico 16 horas seguidas jogando, sustentado à base de energéticos (foram 4 litros da bebida, acima de todos os limites impostos pelos fabricantes do líquido). Quando fez uma pausa da jogatina, Dahl desmaiou e foi parar no hospital, onde ficou internado por 13 dias.

“Foi algo severamente perigoso. O sistema nervoso, o sistema cardiovascular, os pulmões e os rins foram afetados”, explicou Anne Kathrine Duns, uma das médicas que atendeu ao rapaz

Mas se você está segurando a vontade de gritar que “Video-games são malignos e quase mataram o pobre rapaz“, saiba que, como o rapaz não possui nenhum problema médico relevante, a principal teoria dos doutores é que o excesso de energético tenha causado esse desmaio.

Assim, o problema não é jogar video-game por 16 horas (embora esse tipo de maratona não seja recomendada!), o problema é participar de algo assim sem a menor preparação e se manter à base de energético.

Então qual a lição que aprendemos hoje, crianças? Joguem video-game com moderação, seus zé-ruela – e façam pausas regulares para dormir, comer, tomar banho, dar um beijo na mãe, perguntar se está tudo bem com o pai, ligar pra(o) namorada(o)…

Via Kotaku


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários