Crítica Truque de Mestre

Apesar dos bons trailers, Truque de Mestre não consegue cumprir no cinema o prometido

Eder Augusto de Barros
edaummm

  sexta-feira, 05 de julho de 2013

Truque de Mestre chamou muita atenção com seu primeiro trailer e gerou uma grande expectativa, aliado à seu ótimo elenco, tinha tudo para ser um grande filme. Sim, tinha.

nysm1

O longa dirigido por Louis Leterrier (Fúria de Titãs) teve um estrondoso primeiro trailer, e depois quando divulgaram uma sequência de 4 minutos, que eram os primeiros 4 minutos do filme, apresentado cada um dos quatro mágicos, a expectativa aumentou consideravelmente, mesmo ali já se notando bastante os efeitos especiais nas mágicas. Porém os dois trailers seguintes já começaram a mostrar o abuso da técnica para justificar as mágicas e os mais  extremistas já  começaram a tecer críticas mesmo antes do filme estrear.

O filme começa com uma equipe de mágicos composta por Daniel Atlas (Jesse Eisenberg), Jack Wilder (Dave Franco), Merritt McKinney (Woody Harrelson) e Henley Reeves (Isla Fisher) consegue efetuar um roubo em um banco de Paris estando em Las Vegas. A partir daí, acompanhamos o agente do FBI Dylan Rhodes (Mark Ruffalo) tentando decifrar o truque dos quatro mágicos.

Now-You-See-Me-Promo-1-e1370315990896

Eu realmente não achei que os efeitos visuais fossem incomodar tanto assim. Mas penso da seguinte maneira: se é um filme sobre truques de mágica, não pode ter efeito no truque, se não deixa de ser truque de mágica, deixa de ter a essência de uma mágica. O grande erro nesse ponto de Truque de Mestre, é que para a maioria das mágicas cruciais, aquelas que são necessárias para os roubos, existem efeitos, mas são explicados, independente da explicação convencer ou não, dá para dizer que é plausível.

Mas aí me colocam uma cena onde o Daniel Atlas (Eisenberg) cria bolhas de sabão com a mão, obviamente feitas com efeitos visuais, e Henley (Isla Fisher) pula para dentro dessas bolhas e flutua, numa cena muito parecida com o recente filme Oz: Mágico e Poderoso, se você viu, sabe à que me refiro. Isso é completamente anti-climático para o filme, desnecessário. Essa cena pode ser vista em parte neste trailer. Depois em outra cena, quando vão roubar o primeiro banco, de novo algo completamente desnecessário, a personagem de Isla Fisher, joga um pano para o ar, e o pano se move sozinho ao redor do palco e sai de cena do nada, outra vez desnecessário, tira a sua vontade de acreditar que aquele truque é real, de pensar: Como fizeram isso??? Porque a resposta é muito simples, efeitos visuais, não mágica. Essa cena também pode ser vista em parte neste mesmo trailer.

34t7X46446

Eu posso estar sendo um chato? Sem dúvida, eu posso, você pode achar que não te incomoda isso, mas infelizmente, se você for explicar um filme de roubos com “magia” feita por computador ele perde totalmente a crença para mim, torna-se algo impossível de fazer no mundo real, e se é impossível, perde o compromisso, perde o fato de você tentar descobrir antes de explicarem, como eles fizeram aquilo, perde a real “magia” de tudo.

O roteiro também parece uma bagunça, nada faz tanto sentido, somos apresentados aos mágicos, que pouco se conhecem, e na cena seguinte já estão roubando o primeiro banco. O personagem de Mark Ruffalo caí meio de para-quedas no filme, e do nada estamos investigando um grupo de mágicos que roubou um banco e distribuiu o dinheiro para a plateia, até a motivação deles para fazer é falha ao longo do filme. Eu pessoalmente achei a motivação dos quatro falha até mesmo depois do filme acabar, não fez sentido o que eles fizeram e para que eles fizeram, tudo muito vago e bagunçado. Aliado ao fato de ilusão ser falsa, parece uma grande confusão. O roteiro ainda é recheado de pequenos twists que bate de frente com a revelação final, que pode soar ridícula para algumas pessoas, inclusive eu achei.

Em compensação aos problemas, as atuações são boas. Jesse Eisenberg é um ator que já gosto bastante há algum tempo e o personagem dele é interessante, quando ele troca de algemas com o interrogador e diz que a primeira regra  do mágico é ser o cara mais inteligente da sala, você percebe que o personagem dele é arrogante, e ele consegue fazer isso durante o filme todo muito bem, Woody Harrelson também está bem no papel dele, um hipnotizador que tende a ser o elo humorístico do grupo. Isla Fisher está ali por razões óbvias, se Eisenberg é o arrogante, e Harrelson o engraçadão, então ela é o charme do grupo, enquanto Dave Franco é o noob, em todos os sentidos. Mark Ruffalo faz um investigador meio idiota, mas acho que a ideia era mesmo essa. Michael Caine é presença de luxo, Morgan Freeman também, apesar de ser um pouco mais participativo, e para finalizar Mélanie Laurent tem uma participação até que grande, mesmo não aparecendo muito nos trailers, porém, nada de sensacional, na média.

8s2JH46447

Mas Edaum, o filme é ruim assim?

Glorioso leitor, é um entretenimento, se você não se incomoda com os pontos ruins que eu destaquei, então é provável que o filme te satisfaça, grande elenco e um tema interessante. Não é o filme que vai explodir sua cabeça, ou te fazer pensar por horas em como aquilo tudo aconteceu. É assistir e esquecer. Mas obviamente não é daqueles filmes de dar pena, ele só tira a crença de seu momento máximo que é roubar um banco enquanto faz um show de mágica, você não tem como acreditar naquilo com o que vem antes ou depois.


Comentários