Ida – Crítica

Em nossas escolas, pouco se ensina a respeito da situação de alguns países europeus após a segunda guerra mundial. Países que sofreram invasões nazistas e tiveram boa parte de sua população dizimada, como é o caso da Polônia, lar dos maiores e mais cruéis campos de concentração impostos pelo terceiro Reich. É comum, portanto, nos limitarmos às produções culturais que retratam esse período. Por sorte, o cinema polonês se mostra presente e relevante, e Ida (idem, 2013) é um bom exemplo do mix entre o bom uso do plano de fundo histórico e uma narrativa tipicamente europeia.

Ida 2

Sabe-se que todo e qualquer judeu encontrado pela Alemanha Nazista naquela área durante o breve período que antecedeu a Segunda Grande guerra era capturado, torturado e morto. E o legado dessas pessoas, retiradas à força de suas casas, fora substituído. Na Polônia stalinista e ferida do início dos anos 60, notamos com clareza esse fenômeno, e somos convidados a conhecer Anna, uma noviça. Antes de professar os votos que a tornariam freira, Anna deixa o convento para conhecer Wanda, sua única familiar viva. Juíza, alcoólatra e tia de Anna, Wanda revela à sobrinha que seu nome verdadeiro é Ida e que ela havia nascido judia. A partir disso, as duas partem em busca da história dos pais de Ida, que haviam se escondido e sucumbido às investidas nazistas.

Temos aqui um flerte com o filme-estrada, e, como bom representante do leste europeu, o conflito não é exatamente definido. Na busca pelas informações a respeito de seus pais, Ida se confronta com Wanda, um exato oposto. De um lado a casta noviça, do outro, a carnal e beberrona mulher da cidade. Ambas anseiam por respostas sobre elas mesmas. Wanda não aparenta sentir mais prazer em ser útil. Ida experimenta a vida do lado de fora do convento, e parece buscar mais do que versículos e capítulos num livro. A câmera excessivamente parada contempla duas personagens em constante inquietação.

Ida 1

A personagem de Ida é interpretada pela talentosa Agata Trzebuchowska, que faz aqui a sua estreia no cinema. Seus semblantes hora blasé, hora incomodada seguram a personalidade de uma noviça que não tem alternativas ou perspectivas diferentes da continuidade de sua fé no convento. Já Wanda é interpretada pela também bela e talentosa Agata Kulesza, mais experiente em idade e carreira. Rouba a cena durante seus atos de inconsequência.

Os planos predominantemente estáticos atrelados ao preto e branco adotado tornam o contexto ainda mais complexo. Os quadros com um enorme vazio colocam as personagens em cantos ou cortadas, incluindo algo grande e invisível ali junto delas, as oprimindo. Fugindo do debate político, o filme aborda a questão da Polônia sessentista dessa forma. E quando Ida finalmente encontra alguma resposta, a câmera se mexe. E ela agora está inquieta.

Ida, other films

Com delicadeza, o diretor Pawel Pawlikowski (de Estranha Obsessão) nos leva a um país de feridas não cicatrizadas e, na companhia de seus fotógrafos (Ryszard Lenczewski e Lukasz Zal), executa um trabalho sensacional na concepção dos belíssimos quadros.

Ida é belo, técnico e relevante.

==

Ida é o representante polonês na categoria de Melhor Filme de Língua Estrangeira no Academy Awards 2015.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...