Crítica Resident Evil 6 – O Capítulo Final

E chegamos ao fim!

Dayana Sartorio

Dayana Sartorio

  sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é um filme de ação interessante, porém, com certas falhas.

No capítulo final da história de Alice, a protagonista precisa retornar onde tudo começou: a colmeia em Raccoon City e tentar salvar, de uma vez por todas, o remanescente da humanidade.

Para essa última, e sempre a mesma missão, Alice conta com uma velha amiga, Claire. Essa que esteve em Resident Evil 4 e desaparece novamente no 5.

Em muitos sites de cinema temos no prologo que essa é a continuação direta de Resident Evil 5 – Retribuição. Bem… em todos os filmes o prelúdio é Alice narrando como ela chegou até aquele ponto da história. Já nesse, temos o porquê da infecção e o início da história da nossa heroína. O que nos dá muita esperança de como será o andamento da produção.

Tratando-se de roteiro, e por ser o último filme, há muitas falhas e pontas soltas. Pouca explicação e bem…pouca finalização. Visto que o roteiro e direção são de Paul W. S. Anderson, poderíamos esperar uma finalização mais significativa. Claro que a explicação dada para o porquê de tudo é justa, o que não se sabe, é se ela é comprada pelo telespectador.

Ao falarmos de apocalipse, muitos imaginam a bíblia como pano de fundo. E é isso que levemente acontece aqui, há uma ligação com a escritura divina, a loucura e a ganância do homem. Esse paralelo é interessante para tornar o fundamento do ataque zumbi algo possível, já que se trata de crença, interpretação e prática.

Com certeza esse é um filme de ação com alguns bons sustos. O que é uma marca da franquia. Momentos propícios, ausência de trilha sonora, iluminação própria para a cena… tudo para enriquecer o sobressalto no telespectador.

A fotografia também é justa: ensolarada e limpa enquanto dia, bem sombria enquanto noite e clara e dramática em Raccoon City e na colmeia, afinal. O que era de se esperar em um filme com a temática: apocalipse zumbi.

A trilha sonora deixa há desejar quando se trata de um filme de ação como esse. Se nas continuações: 2 e 4 temos uma trilha crescente, neste último filme a trilha é mais robótica. O responsável por isso é Paul Haslinger, que no mundo cinematográfico, compôs para filmes de gênero drama românticos. É possível que esse seja seu primeiro trabalho de grande escalão.

Os cenários são dignos de apocalipse zumbi (como nas outras continuações), e ainda temos a velha e boa Raccoon City ainda mais destruída e uma colméia “mofada”. Com bons e justos flahsbacks da protagonista, (Resident Evil 1 e 2), percebemos exatamente onde estamos em algumas cenas.

O 3D é totalmente dispensável. Se na tua cidade for possível optar pelo 2D, faça isso e pague mais barato. Você não perderá efeitos! Uma pena, já que a Sony é conhecida por utilizar bem o recurso tridimensional.

Quando o assunto são as atuações, temos o mais do mesmo. Nada de espetacular ou memorável, o que não era de se esperar.

Alguns personagens terminaram a franquia sem aparecer, é o caso de: Ada (a japonesa do Resident Evil 5 – Retribuição), Chris (irmão de Claire), Jill, Becky, entre outros. Uma vez que temos a continuação direta do último filme, deveríamos ver tais personagens em ação.

Em suma, Resident Evil 6 – The Final Chapter, é um bom filme de ação, com muitas falhas e pontas soltas no roteiro, com momentos cômicos (que acredito, não foram intencionais), mas que serve como entretenimento.

No meu caso, o final do terceiro ato poderia ser completamente o contrário do que foi. O roteiro ficaria justo e finalizado. Creio que para os produtores, é sempre bom deixar a esperança no ar.

A pergunta que fica é: Será que realmente é o último filme da franquia ou temos um fim promissor para uma continuação? Só vendo e tirando sua própria conclusão. Boa sessão!


Crítica anteriormente publicada em Sexta Meia-Noite. Dayana Sartorio é colunista e podcaster no Sexta Meia-Noite.

Resident Evil: The Final Chapter
França, Australia, Canadá, Alemanha– 2016
Ação, Horror, Sci-Fi
116 min.

Orçamento:$40.000.000
Direção: Paul W.S. Anderson
Roteiro: Paul W.S. Anderson

Elenco: Milla Jovovich, Iain Glen, Ali Larter, Shawn Roberts, Eoin Macken, Fraser James, Ruby Rose, William Levy, Rola Ever Gabo Anderson, Lee Joon-gi, Jacob Evans

Comentários