Combo Bônus – Um Ano de Combo 5 no Mundo de Fairy Tale

  Roberta Rampini  |    domingo, 24 de junho de 2012

A Combo 5 completa um ano de Supernovo e na edição 50 trás um Combo Bônus especial com uma bela lista de adaptações de Contos de Fadas

Não, você não tá ficando louco, hoje é domingo e hoje é dia de Combo 5! Rimou. E digo mais, um ano tem 52 sextas, durante esse tempo o Combo só falhou três semanas o que dá 49, que foi o dessa sexta que passou, logo esse é o 50! Isso não é muito mágico? Estamos aqui num domingo porque no dia 24 de junho de 2011 aparecia no Supernovo a primeira Combo 5. Essa é a provavelmente a última aparição da coluna aqui no site, a Combo vai migrar para dentro de um dos novos blogs que já já vão aparecer aqui pelo Supernovo, agora sem hora data ou números, lá no blog a Combo vai surgir a qualquer momento. E dia de comemorar também é dia de Combo Bônus. Então bora comemorar!

 O Universo dos Contos de Fadas

Se 2011 foi o anos em que os zumbis deixaram de ser underground para virar mainstream 2012 tá tentando fazer nossas historinhas para criança dormir se transformarem em histórias de gente grande, com direito a sexo, sangue e tudo o que um dia já fez desses contos de fada contos para assustar crianças, afinal, com certeza você já parou para pensar em como os diálogos de Chapéuzinho Vermelho tem lá um duplo sentido ou que morder uma maçã no mínimo ~significa~.

Apesar de muita gente só enxergar esse movimento agora que o cinema está mergulhando nele, com direito a dois filmes da Branca de Neve praticamente no mesmo mês, contar as histórias dessas princesas de um jeito mais peculiar não é lá a ideia mais criativa do mundo. Sejamos sinceros, qualquer ser humano é nostálgico e ir ver essas histórias sendo refeitas não é só parte da crise criativa de Hollywood é um plano maligno e muito antigo de controle de mentes.

Os Filmes

Uh… Como começar falando dos filmes? Na verdade a pergunta deveria ser, porque começar falando dos filmes? Que os contos de fadas já existiam antes da Disney você já sabia, mas se atreva a dizer que sem ela seriam conhecidos como são hoje. Agora me diga porque raios tudo isso só foi considerado um movimento agora se como veremos abaixo sempre houve adaptações dessas histórias? Porque agora estão fazendo mais filmes desses em pouco tempo, um atrás do outro, com grandes nomes, se aproveitando do seu sentimento nostálgico em ver o que te fazia feliz quando criança agora em novas versões banhadas com belos efeitos especiais.

Daqui a dois anos veremos Angelina Jolie encarnar Maleficent na “nova versão” de Bela Adormecida, que dessa vez leva o nome da vilã e não da princesinha. Engraçado parar para pensar que apesar de as princesas contarem também com nomes no mínimo importantes (Elle Fanning como Aurora, Kristen Stewart e Lily Collins como Branca de Neve) os filmes têm agora como foco suas vilãs. A onda é ser do mal.

 

No fim as pessoas se sentem curiosas para ver o que deu das versões realistas de Branca de Neve e o Caçador ou Espelho Espelho Meu e dos quase antigos A Garota da Capa Vermelha, A Fera, Alice no País das Maravilhas (do Tim Burton) ou mesmo irão parar de frente para a TV assistir Hook e Peter Pan, Para Sempre Cinderela, The Brothers Grimm ou os cagados A Nova Cinderela (sim existe mais de um). Sem contar animações mais modernas como Enrolados e A Princesa e o Sapo.

O cinema é concretização máxima e mais básica desses clássicos. Já ouvi gente dizendo que Clássicos são clássicos porque são antigos e não deveriam ganhar novas adaptações, eu já acho que clássicos são clássicos porque as histórias sempre poderão ser contadas sem depender do seu tempo. Afinal um conto de fadas só pode ser chamado assim se for recontado, ser mudado para de acordo com a época é uma característica básica deles.

E não é só o cinema que ganha força com essas adaptações não. Com cada dia mais maníacos e espectadores as séries não poderiam ficar atrás no quesito recontando histórias de antigas crianças para os agora adultos.

As Séries

http://www.youtube.com/watch?v=Kh3rFsv_WSE

Grimm

Sempre que preciso definir Grimm eu digo que é uma mistura esquisita entre Supernatural e CSI contando obviamente as histórias dos irmãos Grimm. Pessoalmente acho a série forçada e com um tom que não funciona para a proposta. Mas a coisa parece estar funcionando, então deixemos que seus produtores sejam felizes, afinal foi renovada

David Giuntoli interpreta o protagonista Nick, um policial que começa a se envolver em casos estranhos que se ligam em uma espécie de comunidade secreta. Herdeiro da família Grimm Nick recebe de sua tia, a mulher que o criou o legado da família. Basicamente é dever dos Grimm proteger nosso mundo de criaturas como bruxas más e monstros estranhos, a exemplo uma família que pode se transformar em ursos tentando jantar uma garotinha de cachos loiros em um ritual sinistro de sua tribo. É bem assim que a série trás para o roteiro os contos já conhecidos, a cada episódio novos personagens deixam pistas sobre a trama principal.

Once Upon A Time

A série da ABC aqui no Brasil vai ao ar pela Sony com o nome de Era Uma Vez. A trama já é bem conhecida por nós, a Bruxa Má tem uma crise e resolve ferrar com a vida do Príncipe e da Branca de Neve, mandando todo mundo para o mundo real, onde estão fadados a nunca encontrar o final feliz, mesmo que esperem toda a eternidade. Está nas mãos de Emma a protagonista (Jennifer Morrison) desvendar os mistérios e salvar seu povo da maldição.

Alice

Essa na verdade é uma minissérie produzida pela Syfy em 2009. Depois de seu namorado, ser raptado por uma organização estranha liderada por um velho com cabelos brancos, Alice os segue e acaba caindo em um mundo freak, liderado pela maléfica Rainha de Copas (Kathy Bates) onde pessoas são escravizadas para que seus sentimentos se transformem em chá para o uso do povo. Alice é uma espécie de messias, que com a ajuda de um belo exemplar de Chapeleiro Maluco irá tentar libertar o povo desse sistema mais malvado que o capitalismo.

http://www.youtube.com/watch?v=xna-KYtyRJ4

Nerverland

Syfy também é o responsável por outra minissérie de contos de fadas, você não vai precisar se esforçar muito para traduzir o título para Terra do Nunca, não é? Exibida em 2011 a história conta a vida de Peter antes de ser Peter Pan e de Gancho antes de ser Capitão Gancho, como Peter chegou em Neverland. O canal também é responsável pela série Tin Man, baseada em O Mágico de Oz.

Os Games

http://www.youtube.com/watch?v=L8TNkeHk3Fo

American McGee’s Alice e Alice Madness Returns

Lançado em 2000 pela EA em conjunto com a Rogue o jogo nos mostra uma Alice já adulta que retorna ao País das Maravilhas quando louca, seja cortando os pulsos ou no manicômio quando recebe a visita do coelho branco. Lá ela encontra uma nova versão do seu mundo, mais assustadoras, dark e sangrenta. Graças a sua mistura de conto para crianças com violência para adultos McGee’s foi um dos jogos mais vendidos de todos os tempos com cerca de 1 milhão de cópias em 3 meses. A sequência Alice Madness Returns saiu no ano passado.

The Path

O game da Tale of Tales, The Pathfoi inspirado enas histórias de Chapeuzinho Vermelho e teve som e design premiados. Nele o jogador pode escolher entre uma das seis garotinhas protagonistas para realizar tarefas pedidas para ajudar a sua avó a pedido de sua mãe, caso escolha sair do caminho é melhor estar preparado para os lobos que irá encontrar.

HQ’s

Fábulas

Era uma vez um homem chamado Bill Willingham. Bill se pegava pensando em como seria se os conhecidos contos de fadas não só fossem reais, mas vivessem entre nós. Muita gente já parou para pensar nisso, provavelmente até você, mas foi com a assinatura da Vertigo que Fábulas se tornou notável. Com uma visão moderna, Branca de Neve, Pinóquio e Lobo Mal entre outros, são expulsos de sua terra por um misterioso inimigo conhecido como Adversário, sendo obrigados a viver em Nova York, em uma comunidade clandestina conhecida como Cidade das Fábulas. Não se assuste com o caso de isso parecer o resumo de uma das séries a cima, Era Uma Vez ou Once Upon a Time é parte do resultado do sucesso dessas páginas.


The Grimm Fairy Tales

Em 2008 eu ofereci uma recompensa para quem achasse o raio de uma HQ que não existia na minha realidade, fosse de forma legal ou ilegal, não importava a língua. Demorou alguns anos (dois) até que eu finalmente conseguisse ler a minha tão esperada Return to Wonderland. Esse era apenas o primeiro contato com um mundo de outras histórias pelo qual eu iria me apaixonar.

The Grimm Fairy Tales é uma série de quadrinhos publicados pela Zenescope. Com um confuso sistema de arcos, linha principal e contos paralelos essa série conta não só versões adultas de histórias já conhecidas, mas novas histórias, como a da filha de Alice, Calie, que quando vê a mãe louca cai no País das Maravilhas procurando uma solução para o caos da família e para a maldição em que o lugar mergulhou – lembra o McGee’s. O trabalho de seus ilustradores e coloristas carregado em detalhes, sexualidade e cores fortes casam perfeitamente com roteiros cheios de sangue, violência e sexo.

Depois dessa, você ainda acha que Contos de Fadas são coisas para crianças?


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários