Sofazão | Tropa de Elite 2 – Crítica

  Pedro Luiz   |    segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Tropa de Elite 2 é a sequência do fenômeno criado por José Padilha, e popularizado na pele de Capitão Nascimento, vivido por Wagner Moura, e representará o Brasil em busca de um indicação para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2012.

O fenômeno de hollywoodização do cinema brasileiro vem tomando grandes proporções, graças à importação de técnicas de filmagem, trabalhos com brasileiros no exterior etc. Isso se torna aparente quando chega aos espectadores brasileiros  um filme como Tropa de Elite. Mais escancarado ainda, quando chega as telonas brasileiras o filme Tropa de Elite 2 (2010), que trata de um assunto totalmente brasileiro com cara de blockbuster, no bom sentido da palavra.

Mesmo sendo conhecidíssima, vou escrever a sinopse. Só por precaução.

Após uma operação bem sucedida no presídio de segurança máxima, Bangu 1, Mathias é exonerado do BOPE e Capitão Nascimento é promovido a Subsecretário de segurança pública.

Falando especificamente do segundo filme, que levou José Padilha ao status máximo de direção cinematográfica nacional, temos a figura de capitão nascimento mais uma vez em destaque.  Um “herói” (as aspas estão corretas) que faz o que todo mundo devia fazer e não pode, ou não consegue. Numa capital como o Rio de Janeiro, tomada pelo crime organizado, onde a própria polícia militar se corrompe por alguns trocados, a figura icônica do personagem de Wagner Moura torna a trama  tão real que chega a assustar. A relação realidade-ficção é tão pequena que é normal assistirmos todos os dias nos jornais àquela barbárie, sem que nos assustemos com ela. Essa é uma das maiores críticas do filme, que consiste em despertar a população ao que ocorre todos os dias ao lado de suas casas na zona Sul, parafraseando André Mathias, personagem brilhantemente interpretado por  André Ramiro.

Um verdadeiro “tapa na cara” da sociedade. Essa é a definição perfeita para o filme de Padilha. Não só as já citadas críticas a sociedade brasileira tornam o filme algo único. Como citado no início deste texto, a parte técnica também se mostra IMPECÁVEL durante toda a projeção, arriscando algumas cenas nunca antes feitas no Brasil, como aquela em que crianças jogam futebol numa quadra, e o helicóptero do BOPE sobrevoa a favela passando, antes, por cima da câmera.  Sem contar a cena inicial em slow-motion do carro de Nascimento sofrendo uma chuva de balas em todas as direções. É tudo cuidadosamente pensado e trabalhado, dando ao produto final uma qualidade absurda para padrões do gênero aqui no Brasil.

Como crítica social, ou como filme blockbuster, ou como segunda maior bilheteria nacional… enfim, não importa. O fato de ser o melhor filme brasileiro dos últimos 10 anos já coloca Tropa de Elite 2 como um filme memorável. Ideal para se ter em casa, dar de presente, ou assistir em eventuais reuniões, para que seja lembrada sua importância social e cinematográfica. Renderia uma monografia.

Confira o trailer do longa:

http://www.youtube.com/watch?v=SK8Mvd0u7YU

Tropa de Elite 2 é a sequência do fenômeno criado por José Padilha, e popularizado na pele de Capitão Nascimento, vivido por Wagner Moura, André Ramiro é André Mathias, Seu Jorge é Beirada, Maria Ribeiro é Rosane, e André Mattos é Fortunato, o filme é de 2010, e representará o Brasil em busca de um indicação para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2012.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários