O Presidente, o Povo e a Praça

Luiz Alexandre Andrade
@luizalexandre82

  segunda-feira, 29 de setembro de 2014

O Presidente, o Povo e a Praça

The Square encontra-se disponível no catálogo da Netfilx

Hoje, nossa viagem nos levará ao Egito. Acredito que quando você pensa em Egito vem logo a sua mente as pirâmides, as múmias, areia e a esfinge. No entanto o Egito que vamos visitar não está tão distante assim do nosso tempo, pois iremos falar de fatos da sua história recente. Partindo do documentário “The Square”, vamos conhecer as mudanças que vem conduzindo a “Terra dos Faraós” e outros países do Norte da África.

O principal cenário do documentário dirigido por Jehane Noujaim é a Praça Tahrir, no centro do Cairo, capital do Egito – tanto que esse local nomeia a obra, “square” é praça em inglês. Tahrir torna-se um símbolo disputado tanto pelos manifestantes quanto pelas autoridades. “Quem controla a praça, controla o poder”, frase presente no documentário que destaca bem a importância de Tahrir. Na praça, milhares de egípcios demonstram sua insatisfação ao governo e o desejo de uma nova era de liberdade e de prosperidade. Os protestos obtiveram resultados e derrubaram dois presidentes, Hosni Mubarak e Mohamed Mursi.

Em “The Square”, Jehane Noujaim cria um pequeno mosaico da atual sociedade egípcia escolhendo para seu filme personagens singulares, mas todos compartilhando o desejo comum de um futuro melhor para o Egito. Conhecemos Ahmed Hassan, ativista e estudante de jornalismo. Hassan é o personagem que nos conduz em “The Square”. Além do jovem ativista, o ator Khalid Abdalla (Caçador de Pipas) retorna ao Egito para participar das manifestações expondo na internet os abusos das autoridades contra os manifestantes. “Não viam nada na CNN ou na BBC”, desabafa o ator.

the_square_el_midan_01

A própria diretora é um personagem importante para o filme, pois assim como Abdalla, Jehane Noujaim retorna ao Egito, sua terra natal, para documentar os acontecimentos que sacudiam o Egito e mostravam para o mundo um sopro de insurgência sem igual. O olhar que temos desse momento histórico é o olhar de Noujaim que nos leva ao meio dos acontecimentos. É o olhar dos ativistas.

Outro personagem fascinante é Magdy Ashour, membro da Irmandade Mulçumana. Magdy é solidário aos manifestantes mesmo que isso o coloque contra a Irmandade. “The Square” também traz as vozes dos militares e dos presidentes Mubarak e Mursi construindo um cenário que nos dá a oportunidade de ponderar as decisões que são tomadas e que passam a conduzir o Egito.

O que testemunhamos no documentário não é um fato isolado. O que aconteceu (e acontece) no Egito é o mesmo fenômeno que ocorreu na Líbia, na Tunísia, na Argélia e no Marrocos. É a luta contra a tirania, a luta pela liberdade. “A Primavera Árabe” mostrava ao mundo o grito de “basta” dado pelos povos do Norte da África. Mas não pense que esses acontecimentos correspondem a fenômenos recentes. Não se trata de uma “descoberta para a democracia”. Existem séculos de luta perpetrados pelos povos da África.

“The Square” nos apresenta um movimento popular legítimo que reuniu cristãos, muçulmanos, ateus por objetivos comuns: o fim da tirania, a luta contra a corrupção, contra a falta de liberdade de expressão, contra o desemprego e pela dignidade humana. Essa união da diversidade é um dos pontos de ótima reflexão no documentário. A luta é marcada por altos e baixos, por lágrimas e sangue derramados pelas consequências dos conflitos brutais entre manifestantes e os militares. Os egípcios derrubaram Hosni Mubarak que governou por quase 30 anos. Conseguiram novas eleições. Mohamed Mursi, membro da Irmandade Mulçumana, foi eleito o novo presidente. Mursi concentrou poder tornando-se uma espécie de “faraó” ao criar um governo tão totalitário quanto o de Mubarak. Os egípcios voltaram às ruas. Mursi renuncia.

tahrir square

“The Square” foi indicado a vários prêmios (incluindo o Oscar 2014) e venceu vários. Após a premiação de melhor documentário no Festival de Sundance em 2013, Jehane Noujaim retorna ao Egito para registrar as manifestações contra Mohamed Mursi. A versão do Festival mostrava apenas os eventos que levaram a queda de Mubarak.

Após três anos, qual é o atual cenário político e social do Egito? Como os manifestantes da Praça Tahrir avaliam sua trajetória de luta? Podemos dizer que aconteceram revoltas ou uma revolução? Sempre haverá perguntas das quais apenas o tempo nos dará a oportunidade de avaliar melhor, mas “The Square” registra o ponto de partida para quem quiser entender melhor as mudanças que vem ocorrendo no Egito e em outros países do Norte da África nos últimos anos e quem sabe as respostas que se encontrarem nos apontem caminhos para nações mais justas.

“The Square” encontra-se disponível no catálogo da Netfilx.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários