O possível filme de Doctor Who não vai ser independente da série de TV

  Leandro de Barros  |    sexta-feira, 02 de dezembro de 2011

Pelas primeiras declarações de Yates, ele se mostrou bem disposto a mudar muitas coisas na hora de adaptar a série para o cinema.

No mês passado, David Yates disse que seria o diretor da adaptação cinematográfica de Doctor Who. Uma rápida pesquisa no Google já ensina à qualquer interessado que esse papo de filme da série é velho. Se dessa vez é sério e vai sair mesmo, só o tempo dirá.

Pelas primeiras declarações de Yates, ele se mostrou bem disposto a mudar muitas coisas na hora de adaptar a série para o cinema, dizendo que ela precisa “e uma radical transformação” para aparecer nas telonas.

Uma dessas mudanças seria um novo Doctor além de não seguir a continuidade da série atualmente transmitida pela BBC, no Reino Unido. Como era de se esperar, essas informações geraram reações negativas dos fãs de Doctor Who. O roteirista da série, Steven Moffat, soltou uma declaração negando as informações de Yates e acalmando os whovians.

“Para deixar claro: qualquer possível filme de Doctor Who seria feito pelo time da BBC, o atual Doctor da série de TV e, certamente, não seria um reboot de Hollywood. David Yaste, que é um grande diretor, deu as suas declarações sem pensar.

[Doctor Who] é uma marca muito importante da BBC com uma enorme audiência internacional que nem mesmo Hollywood consegue alcançar do zero. Simplesmente não há planos para o desenvolvimento de um filme de Doctor Who por enquanto. Se e quando o filme acontecer, vai precisar do Doctor da série de TV – e só existe um desses por vez.

Aconteça o que acontecer, a BBC e a BBC Worldwide trabalharão em conjunto para ganrantir que nós não só tenhamos um filme, mas que seja o filme que todo mundo quer”.

Bom, enquanto essa confusão não se resolve, eu vou continuar minha jornada para assistir aos episódios da série.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários