Madagascar 3: Os Procurados – Crítica

A Pixar, empresa responsável pelos melhores longas de animação já vistos (Estúdio Ghibli não vale…), inventou um novo conceito para os filmes voltados para o público infantil. Desde Toy Story que as animações não são mais estritamente para os pirralhos. Muita discussão pertinente aos dias atuais está presentes nesses filmes, e assim como a Pixar, a Dreamworks vem se reinventado, pelo menos em questões técnicas, porque a narrativa continua somente para a molecada.

O filme da vez é Madagascar 3 – Os Procurados (Madagascar 3: Europe’s Most Wanted, 2012), que conta (mais uma vez) a tentativa de regresso dos amigos Alex, Marty, Melman e Glória ao zoológico do central Park, em Nova Iorque. Pelo caminho, a bicharada se depara com um circo itinerante e passa a fazer parte do grupo quando os pinguins compram os direitos.

A história é simplória, e é usada como plano de fundo para o excelente uso do 3D. Por se tratar de um circo, a corda-bamba, por exemplo, é um pretexto para balançar uma hipopótamo e uma girafa na sua cara. E sim, isso é divertido quando usado do modo certo.

A adição de novos personagens a franquia, como o tigre, o leão marinho e outros , pode ser uma boa estratégia, já que nem a zebra engraçada do primeiro filme consegue segurar as cenas cômicas.  Por falar em cenas engraçadas, temos aqui os importantíssimos pinguins, que de tão engraçados ganharam um programa solo na TV. E aqui são eles que seguram o humor, em todas as vezes que aparecem. Como são engraçados esses bichinhos… Uma cena em especial me dez gargalhar. Pinguins e macacos disfarçados em um cassino de Mônaco, faturando alto.

O descompromisso do filme em aprofundar sua história é tamanho que as vezes irrita. Como já citei, toda a narrativa do filme é voltada para o uso do 3D, e em uma determinada cena, os animais pulam de um lado para o outro, com lindas cores, e musiquinha pop no fundo, sem nenhum acréscimo a história ou relevância a narrativa. O visual dessa cena fez com que as crianças ao meu lado dançassem de empolgação.

Madagascar 3 se resume a isso… Uma explosão de cores, sons e empolgação. Se você tem um irmãozinho, faça um favor a ele e o leve ao cinema 3D mais próximo. Tenho certeza que ele falará desse filme durante o mês inteiro. Já você que irá levá-lo, compre o ingresso de Prometheus, e apanhe-o na saída.  Cada um com o entretenimento que lhe é recomendado. Até que a Dreamworks comece a fazer o trabalho que a Pixar faz.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...