Kenneth Branagh explica porque não pôde ser o diretor de Thor 2

Em silêncio desde a confirmação de Patty Jenkins na direção de Thor 2, o diretor do primeiro filme, Kenneth Branagh, finalmente resolveu falar sobre os motivos que o levaram a não ser o diretor da sequência do blockbuster que arrecadou mais de $ 448 milhões de dólares no mundo todo.

Em entrevista ao MovieFone, Branagh foi simples e enumerou apenas um motivo da sua não-permanência na cadeira de diretor da franquia: a agenda.

“Foi simplesmente a agenda. Eu amei fazer o filme, eu adoraria fazer outro filme da Marvel, mas foi por causa da agenda. O problema é que eu tinha de estar de volta na cadeira de diretor tão rápido que não era viável, mas foi uma decisão que a Marvel entendeu”.

Branagh também comentou sobre a sua substituta, a cineasta Patty Jenkins, e se juntou à Tom Hiddleston ao elogiá-la: “Eu, junto de muitas outras pessoas, fiquei muito animado com a nomeação de Patty Jenkins. Eu acho que ela foi uma ótima escolha para dirigir o filme. Eu sei que Kevin Feige e todas as outras pessoas que trabalharam comigo, que foram partes da criação daquele filme, estão ansiosas para produzir um ótimo segundo filme. Assim a decisão foi certa para mim e para eles e eu estou ansioso de verdade para ver como esse segundo longa será desenvolvido”.

Thor 2, dirigido por Patty Jenkins, e com Chris Hemsworth (Branca de Neve e o Caçador), Natalie Portman (Cisne Negro), Tom Hiddleston (Meia-Noite em Paris), Anthony Hopkins (O Silêncio dos Inocentes) e Idris Elba (Luther) no elenco, deve estrear no dia 15 de novembro de 2013.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...