Joseph Gordon-Levitt fala sobre a adaptação de Sandman para o cinema

No fim de 2013 veio a confirmação de que Joseph Gordon-Levitt produziria com a Warner um longa-metragem, que pode se transformar numa franquia, baseado na obra máxima do autor britânico Neil Gaiman, Sandman. Gordon-Levitt por enquanto apenas está confirmado na produção do projeto mas pode vir a estrelar e dirigir a adaptação.

Em entrevista recente à MTV gringa, o ator falou sobre o desafio de transportar a obra de Neil Gaiman para as telonas. Ele também falou sobre o roteiro de Jack Thorne que já tem um primeiro rascunho pronto e sobre a pegada do filme. Segundo Gordon-Levitt, o longa não será um filme de ação comum porque Neil Gaiman pediu para não ter “porrada” na adaptação.

[quote]É muito bom  [o roteiro], cara. É lento, mas constante. É uma adaptação muito complicada, pois essas HQs são brilhantes, mas não são escritas completas. Não é como Watchmen, uma história que tem início, meio e fim. Sandman foi escrito durante seu curso, acredito que por seis ou sete anos. Uma por vez. E tentar adaptar isso para se tornar um filme – com início, meio e fim – é complicado. Grandes filmes de ação geralmente são heróis lutando contra o crime e explodindo tudo em volta. Nosso filme não tem nada a ver com isso. Foi uma das coisas que Neil Gaiman [criador da HQ] me disse, para não ter porrada. Porque Sandman nunca faz isso. Se você ler os quadrinhos, Morpheus nunca bate em ninguém. Não é o que ele faz. Será um grande filme de ação, mas não por causa destes clichês. Por isso está demorando para adaptar, mas será realmente bom.[/quote]

A Warner pretende transformar Sandman numa nova franquia, provavelmente usando como elo de ligação o personagem Morpheus, a personificação dos Sonhos que fica preso por 70 anos, mas consegue se libertar e luta para reconstruir os seus domínios e se adaptar aos novos tempos.

Sandman é, facilmente, uma das HQs mais difíceis de se produzir e adaptar para os cinemas. Além de fugir de absolutamente todos os “clichés” do gênero (não tem a jornada do herói, não possui vilões ou mocinhas, etc.), a ideia da obra faz com que conceitos abstratos ganhem formas físicas na intenção de trabalhar algumas ideias que não são vistas normalmente em “filmes de quadrinhos”. Além de ser algo bem difícil de tirar das páginas para colocar em movimento na telona.

Ainda não há uma data para o longa chegar aos cinemas, mas com a produção andando a esse ritmo, é possível que vejamos o fruto desse projeto em 2016 ou 2017.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...