Joe Manganiello quer ser O Justiceiro Frank Castle nos cinemas

O lobisomem Alcide de True Blood, Joe Manganiello, disse em entrevista ao Huffington Post que gostaria de viver o personagem da Marvel, Frank Castle, nos cinemas e ainda nomeou o seu diretor preferido para o projeto.

As duas coisas que mais chamam a atenção na entrevista é a opinião de Manganiello sobre os atuais protagonistas de Hollywood e seu desejo expresso de ser o Justiceiro. Sobre o primeiro, ele disse:

“Nós chegamos numa época do cinema onde os protagonistas masculinos ficaram moles. Quando eu era criança, os protagonistas eram Clint Eastwood, Harrison Ford e Steve McQueen – esses caras eram durões. Eles eram protagonistas, mas também eram bem durões no físico. De alguma forma, nós nos afastamos disso, e é como se as duas coisas precisassem estar separadas e eu não acho que precisem”.

Eu tenho de concordar, Manganiello. Respeito quem gosta de ver uma fada no papel principal de um filme -, mas nós vivemos numa época chata. O público que faz mais barulho, que compra mais, são os adolescentes. E o que eles querem é emasculação do homem e o politicamente correto. E não é de hoje isso. Não preciso citar o “Han atirou Primeiro”, né? Onde estão os tiros, a ação e os filmes com tanta testosterona e músculos que o espectador sai de lá igual um boy de academia? Ficaram no passado.

Sobre o herói que ele gostaria de interpretar:

“Eu adoraria fazer uma versão de O Justiceiro, mas teria de ser dirigida por Michael Mann. Tipo uma versão hardcore, para maiores, d’O Justiceiro”

Ele cita o Justiceiro, já que perdeu o papel de Superman para Henry Cavill, pois não pode comparecer às audições por causa das gravações de True Blood. Eu ainda acho que Matt Bomer, de White Collar, seria o melhor Superman, mas tanto Manganiello quanto Cavill são excelentes escolhas.

Ah, e vale lembrar que Michael Mann é o cara de dirigiu Colateral, Inimigos Públicos e O Último dos Moicanos, então caso esse projeto venha um dia se concretizar de verdade, as chances de serem um filme bom são bem altas.

The Handmaid’s Tale – Review – 1ª Temporada

Começa numa perseguição de carro e continua numa perseguição a pé, uma família acuada tenta fugir de seus perseguidores se embrenhando na floresta, a tensão...

Agents of SHIELD – Review – 4° Temporada

Magnifica! É a primeira palavra que me vem à mente para descrever a série Agents of SHIELD, uma série que começou com uma pegada totalmente...

Crítica | Resident Evil 6 – O Capítulo Final

Resident Evil 6 – O Capítulo Final, dirigido por Paul W. S. Anderson e levemente baseado no jogo de vídeo game do mesmo nome,  é...

Desventuras Em Série – Crítica – 1° Temporada

A quase 12 anos atrás, chegava ao cinema a adaptação de um dos maiores sucessos literários da história. “Lemony Snicket’s A Series Of Unfortunate Events”,...

Resenha de Como Tatuagem, de Walter Tierno

Walter Tierno é autor nacional, publicou dois livros pela Giz Editorial (Cira e o Velho e Anardeus – No Calor da Destruição) e agora, pela...

Resenha de Além-Mundos, de Scott Westerfeld

Scott Westerfeld é, atualmente, um dos escritores que considero consistentes a ponto de ler seus livros sem saber exatamente do que se tratam e ainda...