Daniel Radcliffe topa ser o pai de Harry Potter em um futuro remake da série

Leandro de Barros

  terça-feira, 28 de maio de 2013

Daniel Radcliffe topa ser o pai de Harry Potter em um futuro remake da série

Ator afirma que toparia fazer uma participação especial num futuro remake de Harry Potter, mas hesitaria em voltar para a franquia agora, caso um novo filme fosse produzido

HP 7.2

Quando Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 chegou aos cinemas, em 2011, não demorou muito para a imprensa internacional começar a cogitar um reboot/remake de Harry Potter nos cinemas. Afinal, estamos falando só da franquia cinematográfica de maior bilheteria da história do cinema.

Porém, não deveremos ter um reboot de Harry Potter tão cedo. Talvez daqui a 10 anos a Warner comece a pensar no assunto, mas por enquanto é cedo demais pra alguma coisa do tipo. Não que isso impeça os fãs de imaginar, claro.

Perguntado sobre qual papel ele gostaria de ter nesse possível reboot da franquia, Daniel Radcliffe (ou Harry Potter, se você preferir) disse que toparia ser Tiago Potter: “Nada de coisas escolares. Uma participação especial como o pai de Harry? Seria perfeito“.

Ainda sobre a série Harry Potter nos cinemas, Radcliffe disse que não se imagina fazendo um novo filme da série. “Mesmo se a Jo [Rowling] escrevesse uma sequência, o que já é improvável, eu negociaria muito. Eu ralei muito para me estabelecer como ator fora da franquia, eu ficaria muito hesitante em voltar. Mesmo que seja no futuro – eu já tenho 23 anos, já estou velho demais pra ficar correndo por aí com uma capa escolar“, disse o ator.

Essa não é a primeira vez que um membro do elenco da série fala sobre um possível reboot de Harry Potter. Enquanto Emma Watson disse que poderia ser a Professora McGonagall, o próprio Radcliffe já afirmou que poderia interpretar o Professor Lupin no futuro. Mas  só beeeeem no futuro, ok?

via Snitch Seeker


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários