Avatar vira atração da Disney World e James Cameron comenta os próximos filmes

  Leandro de Barros  |    quarta-feira, 21 de setembro de 2011

James Cameron comenta sobre a tecnologia da captura de imagens à 60 fps que pretende usar em Avatar 2 e 3, além de anunciar que a Disney World terá uma atração inspirada no mundo de Avatar

O universo de Avatar vai virar uma atração no Animal Kingdom da Disney World. O anúncio foi feito pelo próprio James Cameron, que disse estar trabalhando em conjunto com o produtor Jon Landau para criar a atração, que só deve começar a ser construída no parque de diversões em 2013, um ano antes da estréia prevista de Avatar 2.

Falando nisso, nosso querido James Cameron também comentou sobre a tecnologia que pretende utilizar nos próximos filmes da franquia. É importante lembrar que filmes 3D só viraram “moda” e, recentemente, quase regra após o excelente uso da tecnologia em Avatar, em 2009. O filme se tornou o mais visto da história e realmente revolucionou o mercado. Então, muita coisa é esperada de Avatar 2.

Dessa vez, o alvo do cineasta é a captura de imagens à 60 frames por segundo (hoje, os filmes são gravados à 24 frames, mas outras mídias já experimentaram, com ótimos resultados, produções à maior contagem de frames). Segundo Cameron, ““o 3D mostra a você a janela para uma realidade, mais quadros por segundo tiram o vidro dessa janela”.

“Eu insisto nessa caminho pois acredito que mais quadros significam um 3D melhor. E se basta uma atualização de software nos projetores digitais para rodá-los, a discussão nem é entre 48 ou 60 fps – façamos os dois! Não muda nada para o projecionista, não é necessário mudar as lâmpadas ou as lentes. Deixemos os aparelhos prontos para os dois formatos e que a decisão entre um e outro fique com o cineasta. Se os exibidores adotarem os dois formatos, gravarei Avatar 2 e 3. com 60 fps. Se eles não adotarem, eu terei que analisar muito cuidadosamente os prós e os contras entre 60 fps e 48 fps” – disse o cineasta.

Porém, nem tudo são flores em Pandora. O problema da tecnologia para gravar em 60 fps são os efeitos especiais. O custo para a pós-produção dos efeitos especiais feitos à 60 fps são altíssimos, por causa do processo de renderização dos efeitos. Pelo menos, é o que afirma Cameron, já que eu não manjo nada disso.

Eu sei o suficiente para saber que 60 fps vão produzir imagens e movimentos muito superiores no cinema, então eu sou totalmente à favor. Tudo bem que os próximos Avatar’s devem ter tantos efeitos especiais que deve custar uma pequena fortuna (mais do que o normal) para ser produzido. Mas a perspectiva de lucro é enorme também.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários