American Pie – O Reencontro

  Pedro Luiz   |    sábado, 21 de abril de 2012

Voltando com seu elenco principal após 9 anos, a franquia que tem em sua trama a nostalgia da adolescência se firma como um dos filmes mais engraçados do ano.

A nostalgia é um elemento importantíssimo dentro do contexto dos cinéfilos. Alguns filmes vistos há tempos, quando impactantes de alguma maneira, ficam na memória do espectador e transformam a experiência de revê-los, prazerosa.  E não há filme melhor que American Pie – O reencontro (American Reunion, 2012) para tratar de nostalgia, já que os outrora adolescentes, provavelmente se tornaram pessoas chatas e sem atrativos, assim como os do filme.

Erroneamente colocada como um marco na história do cinema de comédia, a franquia decidiu voltar esse ano com seu elenco principal, que saiu depois do terceiro filme, dando espaço a vários outros exemplares de garotas nuas e festas muito loucas.

A volta ’’triunfal’’ da franquia narra o reencontro da turma de 1999, onde Jim, Stifler,  Oz , Kevin e Finch tocavam o terror nas festas e pagavam micos na recém criada internet. Cada um dos amigos agora encara a vida adulta trabalhando em lugares chatos e administrando casas, e isso remete, basicamente, a maioria das pessoas que assistiram ao primeiro filme sendo adolescentes.

Quem conhece a franquia sabe que ela não tem muito a oferecer em relação à qualidade cinematográfica. Nada é realmente pensado. Roteiro, enquadramentos, direção de arte etc. Mas, obviamente, o público que procura esse tipo de filme não liga para detalhes técnicos, e fazem muito bem, pois os maiores trunfos do filme são justamente a pobreza de controle. Os atores estão em sintonia e proporcionam as cenas mais divertidas que vi no ano. Os apelos sexuais estão lá, assim como estiveram nos outros filmes, o que não prejudica em nada.

O personagem  Steve Stifler, ou Stifodão, interpretado por  Seann William Scott, é o que segura as melhoras cenas do filme. Enquanto todos os outros só querem relembrar o passado e não causar problemas, Stifler quer defecar na cerveja dos outros, pegar gostosas e dar festas.

Se o sentimento de nostalgia dos amigos ao se reencontrarem na festa da turma de 99 é grande, imagina o do espectador, que pode dar risadas depois de 9 anos (O último filme com o elenco principal é de 2003). Várias piadinhas são colocadas no filme para evidenciar isso, como na cena em que Stifler, Finch e Kevin vão distrair os pais de uma garota dizendo que querem entrar para usar o telefone. O pai desconfia do ato, pois em pleno 2012 todo mundo, ainda mais jovens, tem um celular. E Stifler solta um: ‘’Ah, como vou saber? Na minha época isso funcionava, porque ninguém tinha celular’’.

Ainda que falho, American Pie vai continuar funcionando. E cá entre nós, já é o filme mais divertido do ano.

PS: Antes do fim dos créditos, não saia do cinema. Uma cena, usando de metalinguagem, mostra exatamente o que é a franquia American Pie. A maior sacada do filme (e da franquia) em alguns segundos.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários