Alfonso Cuarón diz que não vai dirigir Animais Fantásticos e Onde Habitam

Leandro de Barros

  terça-feira, 27 de maio de 2014

Alfonso Cuarón diz que não vai dirigir Animais Fantásticos e Onde Habitam

Cineasta mexicano não quer se envolver com um projeto tão focado em efeitos visuais tão cedo

Primeiro Alfonso Cuarón (Gravidade) flertou com a possibilidade de dirigir Animais Fantásticos e Onde Habitam de maneira discreta, como quem não quer nada. “Por que não? Eu tenho outras coisas que quero fazer, mas um projeto com J.K. Rowling…“, tinha dito o diretor mexicano, deixando no ar que poderia segurar seus projetos autorais pela chance de trabalhar novamente com o universo criado pela escritora britânica.

Aí as coisas começaram a ficar mais sérias. David Heyman, produtor dos filmes de Harry Potter e de Gravidade, assumiu a produção de Animais Fantásticos e então surgiu a conversa que a gente esperava: uma jornalista bem confiável revelou que Cuarón estava negociando com a Warner para assumir o comando do longa.

Porém, em entrevista ao Digital Spy, Cuarón joga o balde de água fria nos fãs, descartando a oportunidade de dirigir Animais Fantásticos num futuro próximo (apesar de não negar que negociou com o estúdio):

[Dirigir O Prisioneiro de Azkaban] foi uma experiência muito bonita pra mim. Eu amo muito esse universo e admiro tremendamente J.K. Rowling, mas hoje projetos baseados em muitos efeitos visuais não me atraem. Eu acabei de sair de um processo de 5 anos fazendo efeitos visuais e agora eu meio que quero me desintoxicar um pouco disso

A justificativa de Cuarón faz muito sentido, já que passar pelo processo de criação de Gravidade deve realmente ter sido uma experiência esgotante, mas é difícil não sentir o gosto amargo da decepção com essa declaração do cara.

Enfim, seja como for, Animais Fantásticos e Onde Habitam estreia em 2016.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários