A casa que inspirou o filme Up – Altas Aventuras pode ser demolida!

Leandro de Barros

  segunda-feira, 16 de março de 2015

A casa que inspirou o filme Up – Altas Aventuras pode ser demolida!

Casa foi para leilão e não teve nenhum comprador

O ano era 2006 e a Pixar desenvolvia o filme Up! – Altas Aventuras, que viria a se tornar um dos grandes hits da história do estúdio.

Nos jornais americanos, porém, a protagonista da época era Edith Macefield, uma senhora de Seattle dona de uma casinha que tinha mais de um século de vida. A dona Macefield ficou conhecida porque recusou uma proposta de $1 milhão de dólares pela sua casa, feita por uma empresa que tinha o interesse de construir um grande complexo de escritórios e lojas no lugar.

Como essa empresa possuía todos os lotes ao redor da casa da dona Macefield, menos o dela, eles acabaram construindo tudo ao redor. A história fez sucesso dentro da Pixar, que fez uma homenagem à essa resistente e determinada senhora no filme Up!, já que o mesmo acontece com o seu protagonista.

CREDITOS: REUTERS/DAVID RYDER

CREDITOS: REUTERS/DAVID RYDER

O tempo passou e a dona Macefield acabou morrendo em 2008, um ano antes do longa saiu. A casa acabou repassada para um amigo dela, que a vendeu em 2009 para uma empresa.

Agora essa empresa está com uma dívida de cerca de $186 mil dólares e a casa acabou indo para leilão na última sexta-feira, com o lance inicial de $216 270,70 dólares. Porém, nenhum lance foi dado e a casa não foi vendida.

Agora a casa está sob custódia de um banco e será provavelmente demolida em breve caso não apareça um comprador para o imóvel.

Em protesto, mais de 100 pessoas levaram balões como os do filme para a casa na sexta-feira, na tentativa de chamar atenção da imprensa para o que estava acontecendo.

Deu certo e agora fica a sugestão: bem que a Pixar poderia comprar o imóvel e fazer dela um ponto turístico, né?

via Reuters


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários