2014, o ano que odiou o cinema

Leandro de Barros

  segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

2014, o ano que odiou o cinema

2014 foi um dos anos que mais machucou o Cinema mundial

2014 se aproxima do fim e, para os apaixonados por cinema, se trata de uma boa notícia. Não tanto porque o ano tenha sido ruim cinematograficamente – aliás, pelo contrário: nesse ano, nós tivemos produções  Hollywoodianas e de outros mercados que foram muito agradáveis e adicionaram muito à Sétima Arte – desde blockbusters como Os Guardiões da Galáxia até os projetos mais diferentes e inovadores, como Boyhood (que levou 12 anos para ser filmado).

Porém, apesar de tudo isso, 2014 foi um ano que odiou o Cinema. Com C maiúsculo, como a arte num geral. Foi um ano que tirou das telas e das salas de projeção alguns dos principais nomes que ajudaram a construir a nossa arte. E a gente pretende começar nossa Retrospectiva 2014 falando sobre isso.

Foram muitas e muitas mortes de pessoas ligadas ao Cinema em 2014. Algumas tiveram mais impacto pela fama dos envolvidos, outras pela proximidade com o público brasileiro. Algumas chocaram pela violência envolvida e outras foram apenas profundamente tristes.

2014 foi o ano em que perdemos Robin Wililams para a depressão. Um dos grandes comediantes contemporâneos e um dos atores mais sensíveis de Hollywood, Williams cometeu o suicídio por enforcamento no dia 11 de Agosto, deixando para trás 3 filhos e uma esposa.

Mais fatídico que o dia 11 de Agosto, porém, foi o sangrento domingo do dia 2 de Fevereiro. No mesmo dia, o Cinema perdeu o ator Philip Seymour Hoffman, vencedor do Oscar de Melhor Ator por Capote, e o documentarista brasileiro Eduardo Coutinho, vítima de uma tragédia envolvendo o filho.

Ao todo, mais de 100 nomes de diversos países ligados ao Cinema faleceram em 2014, incluindo os já citados e também Bob Hoskins (Super Mario), Roberto Bolaños (Chávez), Saul Zaentz (produtor vencedor de 3 Óscares), Run Run Shaw (um dos mais importantes nomes da indústria chinesa), Juanita Moore (a 5ª pessoa afro-americana a ser nomeada ao Óscar), Ruth Robinson Duccini (O Mágico de Oz), Tom Sherak (ex-Presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas), Shirley Temple, Harold Ramis (O Feitiço do Tempo, Os Caça-Fantasmas), James Rebhorn (Homeland), Malik Bendjelloul (Searching for Sugarman), Eli Wallach (Três Homens em Conflito), Richard Attenborough (Jurrasic Park), Joan Rivers e Mike Nichols (Closer) são alguns desses nomes, bem como os brasileiros Paulo Goulart e José Wilker.

Fica aqui a nossa homenagem e respeito aos grandes nomes que nos deixaram em 2014, mas que partiram para ficar pra sempre na história da Sétima Arte. Fica também o respeito por 2014, além do desejo que 2015 seja um ano muito mais suave e carinhoso com o Cinema.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários