Crítica Megadimension Neptunia VII

Megadimension Neptunia VII se estabelece facilmente como o melhor jogo da série e começar a pavimentar o caminho para que aos poucos deixe de ser um jogo de nicho

Thiago Alencar

  quinta-feira, 24 de março de 2016

Alguns jogos não precisam ser sérios ou se considerar como a salvação do universo dos videojogos para serem bons. Algumas vezes, mera competência mecânica basta (é só observar todos os jogos de esporte e/ou tiro para isso) ou algo especial que a diferencia das outras centenas de jogos que aparecem por aqui. É nesse nicho em específico que a série Neptunia (e suas dezenas de spin-offs) se encaixa e o faz com maestria.

O novo jogo da série, Megadimension Neptunia VII (que pronuncia-se Victory II), lançado para PlayStation 4, é bem isso, um jogo de nicho, fantástico em suas mecânicas e bem especial nas suas características únicas, em especial no humor que lhe é característico desde o primeiro jogo. Levando o jogador de volta ao universo de Gamindustri, MDN VII apresenta um argumento forte para que essa visita dure por boas e longas horas.

20160129102731

É estranho então que, logo no começo MDN VII quebre justamente o humor característico da série e siga um rumo mais “sombrio” (pro quão sombrio pode ser um jogo com anime girls que representam consoles testando os limites do fanservice em consoles pode ser). O jogo coloca a protagonista Neptune (tão bem ou melhor escrita do que em qualquer outro jogo da série) atendendo um chamado de resgate da Zero Dimension e lá encontrando um estranho console branco e laranja o qual ela leva para as outras CPUs e, de lá, todas acabam sendo sugadas para essa dimensão.

Sentindo que há muita informação? É como a maioria dos novatos se sentiriam em qualquer jogo da franquia (salvo pelo jogo original Hyperdimension Neptunia e seu remake, Re;Birth1), então cabe um breve resumo aqui: A franquia Neptunia é uma série de RPGs da Idea Factory e da Compile Heart, publicada no Ocidente pela Idea Factory International e que nasceu como uma brincadeira, uma sátira a indústria dos videogames do começo dos anos 90 e que acabou gerando 4 jogos da série principal (além do primeiro HDN, tivemos Hyperdimension Neptunia mk2, Megadimension Neptunia Victory e agora Victory 2, com os 3 primeiros para PS3 e esse para PS4), 3 remakes (HDN, HDN mk2 e MDN V foram relançados para Vita e PC como a série Re;Birth1, 2 e 3 com várias melhorias em relação os jogos originais) e vários spin-offs (de RPGs de Estratégia a jogos de ritmo).

Megadimension-Neptunia-VII-PS4-Game-Review-Screenshot-1

Cada jogo possui uma história e se passa numa dimensão diferente, o que acaba por dar um clima leve e uma certa acessibilidade para os novatos. Todas centram em torno das CPUs, irmãs deusas de quatro continentes diferentes, cada qual baseada num console diferente, enquanto as regiões se baseiam nas respectivas empresas. Neptune, protagonista da série, é baseada no nunca lançado Sega Neptune (que misturava o 32X com o Genesis, a.k.a., Mega Drive), e suas irmãs, Noire (baseada no PS3), Blanc (baseada no Wii) e Vert (representando o Xbox 360) são as principais personagens da série, que conta ainda com as CPU Candidates (que representam os portáteis Game Gear, PSP e Nintendo DS) e uma quantidade enorme de outras personagens que representam as desenvolvedoras de jogos.

É nesse espírito que segue MDN VII. Colocando os jogadores diante do mistério do surgimento de uma quinta CPU (Uzume, representante do Dreamcast) e todas as coisas envolvendo a história dela. Uzume é uma ótima personagem e as motivações dela acabam carregando o jogo inteiro, com Neptune (ou como é mais conhecida, Nep-Nep) sendo guiada pelas novidades desse universo através dela.

O risco assumido com esse tom mais sério, principalmente numa série em que quase todos os jogos eram com doses cavalares de humor e fanservice, mas isso acaba funcionando magnificamente. Ninguém vai confundir MDN VII com The Witcher 3, Dragon Age: Inquisition ou Final Fantasy XV, mas essa mudança de tom, combinado com um elenco enorme de personagens bem desenvolvidos e finais diferentes dão ao novo jogador uma porta de entrada agradável para aqueles assustados pelos jogos anteriores ou uma mudança de tom agradável aos veteranos da série.

Review_MegadimensionNeptuniaVII013

A mudança para o PS4 também deu ao jogo um novo ar. O meu maior problema com a série era a quantidade absurda de assets reutilizados (havia uma quantidade muito limitada de inimigos e basicamente as mudanças eram de cor e tamanho) o que caiu drasticamente nesse jogo. Adicione a isso a OST de alta qualidade, mesmo que se apoie demais num J-Pop meio genérico, que é característico da série e MDN VII vai consolidando seu lugar como um dos melhores RPGs desse começo de geração.

Em relação ao combate, é aquilo que se espera da série. Os combates misturam a movimentação por turnos e ataques que lembram os RPGs de Ação. As parties são compostas de 4 personagens e todas funcionam bem, permitindo ao jogador manter equipes com suas personagens preferidas sem precisar carregar por aí uma healer que ele odeia um tank insuportável só por obrigação.

Minhas reclamações principais com o jogo ficam por conta da câmera, que ainda tem um pessimo controle (que é minimizado pelo mini-mapa) e a quantidade de grind que continua a ser relativamente cansativo. Felizmente, o design das dungeons melhorou muito, mas a navegação ainda não funciona muito bem, já que coisas simples, como pulo, pode ser mais difícil do que deveria e ainda existem paredes invisíveis, isso acaba resultando em algumas batalhas desnecessárias (visto que os inimigos aparecem no cenário e os combates são iniciados ao esbarrar neles).

No geral, MDN VII é um jogo muito coeso e, de longe, o melhor jogo da série até aqui. Claro que existem defeitos nos controles e nos modelos de personagens e texturas do ambiente, mas a cada novo lançamento essas arestas vão sendo aparadas. Todos os novos personagens acrescentam muito a história o que é um belo mérito para os roteiristas do jogo, já que é difícil tanto estabelecer novos personagens sem se apoiar demais nos personagens já conhecidos.

Megadimension Neptunia VII se estabelece facilmente como o melhor jogo da série e começar a pavimentar o caminho para que aos poucos deixe de ser um jogo de nicho e visto com certo pre-conceito e se torne uma série de RPGs com o respeito que merece.

Megadimension Neptunia VII
RPG
Desenvolvedora: Idea Factory
Plataformas: PS4.

Comentários