Resenha Easy

Seguindo a onda de New Adults que assola o mundo, Easy, de Tammara Webber, chega quebrando tabus e agregando leitores. Uma leitura rápida e, piadas à parte, fácil.

Regina Umezaki

Regina Umezaki
@reginaumezaki

  segunda-feira, 04 de novembro de 2013

easy resenha“Frase impactante para começar a resenha aqui”.

Okay, agora que passamos do momento estranho em que você tem que resumir o livro em algumas palavras antes de discorrer sobre sua opinião concreta sobre ele, vamos falar mais de Easy.

O livro veio para o Brasil com o mesmo nome com o qual foi lançado no exterior, por um motivo que não me chegou ao conhecimento, mas numa decisão que achei acertada. Na tradução livre, um livro chamado ‘Fácil’ provavelmente não teria muito apelo, e já que a imagem de capa não colabora muito, é bom pelo menos o nome ser interessante.

Easy é uma leitura de linguagem fácil e temática interessante. A faixa etária é mais uma subdivisão que entre os infantis e os adultos (depois do infanto-juvenil e juvenil (ou jovem adulto), agora temos o ‘Novo Adulto’), então, assim como Belo Desastre, por exemplo, o livro de Tammara Webber veio rotulado de ‘New Adult’.

Que diabos é um New Adult? Sei lá. Brincadeira; New Adult é mais uma subdivisão etária, assim como Young Adult, Middle Grade e etc. Seria algo mais voltado para pessoas entre 18 e 25 anos – aqueles que estão, enfim, ingressando na vida adulta, em geral lidando pela primeira vez com a independência. O subgrupo também se destaca pelo uso mais aberto de linguagem sexual onde o YA fica só na sugestão, mas esse nem é o detalhe que as pessoas mais gostam de destacar, né (If you know what I mean).

O livro é narrado por Jacqueline; A história começa num momento meio complicado: Ela acabou de ser largada pelo namorado e está tendo problemas com uma aula pela primeira vez na vida, o que mostra o quanto ela se encaixa no padrão ‘Boa Moça’.  No entanto, não são esses os focos mais trabalhados pela autora. A personagem também é vítima de uma tentativa de estupro que acaba abalando os alicerces de sua confiança e visão do mundo.

Enquanto a narrativa passa por momentos mais graves, como a agressão e trauma subseqüente, também tem suas passagens mais divertidas, como a retomada da vida social e estabelecimento de uma nova rotina, que não gira mais em torno do namorado da protagonista. Surge, obviamente, um novo interesse romântico, que tem papel fundamental na reconstrução de Jacqueline e na superação dos traumas.

A meu ver (e os demais leitores sintam-se livres para discordar), um livro que não é voltado para o lado criminal da agressão só se aprofunda em detalhes até certo ponto. Um autor de “romance romântico” dificilmente vai explicitar os detalhes mais chocantes de um crime, e Tammara Webber evitou, até certo ponto, estapear o leitor com os piores momentos da violência abordada – a sexual (apesar de dar uma boa noção da situação). No entanto, o livro dá várias informações valiosas quanto à prevenção da agressão e também quebra algumas crenças alimentadas pelo desinteresse ou desinformação. Existe, por exemplo, gente que acredita que uma pessoa não pode ser sexualmente agredida por um cônjuge ou namorado, principalmente se a atividade sexual já faz parte do relacionamento. Também existem iludidos que acreditam que a virgindade da vítima é relevante na hora de determinar se uma relação sexual foi estupro ou não, e há um lembrete importante sobre as conseqüências do silêncio das vítimas.

Easy aborda temas difíceis com bastante desenvoltura, e apesar algumas atitudes da protagonista serem reprováveis, elas não são inconsistentes (em outras palavras, ela faz burrada, mas dá pra entender os motivos). O relacionamento dela com Lucas não parece (muito) instantâneo e o drama não é usado de maneira desenfreada.

Durante a leitura, surgiram algumas similaridades com Belo Desastre (e digo isso porque os dois são lançamentos New Adult do mesmo selo); Boa moça, bad boy, algumas características da melhor amiga, ambiente universitário, algumas atitudes de personagens. Isso me deixa com dúvidas quanto à versatilidade desse novo subgrupo – fica aí um bom tópico para troca de idéias. New Adult é o nome de um grupo etário ou de uma fórmula?

Enfim, detalhes à parte, uma leitura válida de tema interessante e abordagem consistente.  Para quem se interessou pelo New Adult ou pelo panorama geral do livro, fica aí uma indicação.

New adults! New adults everywhere!

Título: Easy ISBN: 9788576862468 Editora: Verus Ano: 2013 Páginas: 305
Comentários