Cinco livros Banidos que você provavelmente já leu
Regina Umezaki

Regina Umezaki
@reginaumezaki

  sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Cinco livros Banidos que você provavelmente já leu

E se não leu, deveria.

Todos os anos, a American Library Association promove a Challenged and Banned Books Week. Esse ano, ela acontecerá entre 27 de setembro e 03 de outubro. O principal objetivo dessa semana é celebrar a liberdade de leitura e concientizar sobre censura.

No Brasil, não existe um banco de dados oficial sobre livros retirados das prateleiras por causa de reclamações de um indivíduo ou da comunidade, nem dos motivos que justificaram tal retirada; Na verdade, as notícias sobre esse assunto são bastante escassas. No entanto, muitos dos títulos frequentemente banidos que constam na lista da ALA já foram traduzidos, e eu resolvi listar alguns, com suas respectivas justificativas de banimento e um ou outro comentário sobre esses motivos, porque, sério, observem.

The Perks of Being a Wallflower | As Vantagens de Ser Invisível – Stephen Chbosky

A história de Charlie foi retirada de algumas bibliotecas por conter Álcool/Drogas/Fumo, homossexualidade, linguagem ofensiva, ser sexualmente explícito e impróprio para determinada faixa-etária. Além disso, também há estupro/masturbação. Apesar dos banimentos (ou talvez por causa deles), o livro de 1999 é um sucesso de vendas e se tornou filme com Emma Watson, Ezra Miller e Logan Lerman em 2012. Nos últimos anos, tem sido presença constante na lista de livros mais retirados de bibliotecas de acordo com os registros da ALA. O livro de Stephen Chbosky é uma obra epistolar que narra o dia-a-dia de Charlie, um garoto tímido que acabou de perder um grande amigo e resolveu escrever cartas para um destinatário que não é revelado no texto. Através de suas missivas, acompanhamos as desventuras do protagonista e de seus amigos ao mesmo tempo em que desvendamos, aos poucos, a origem das lembranças nebulosas do narrador.

alascaLooking for Alaska | Quem é Você, Alaska? – John Green

A história de Miles e Alaska esteve entre as mais questionadas e banidas nos anos de 2012 e 2013 por presença de drogas/álcool/fumo, por ser sexualmente explícito e impróprio para determinada faixa étária. Também foi elegido para ser lido por mim durante a semana de livros banidos de 2015. Alguém mais?

Brave New World | Admirável Mundo Novo – Aldous Huxley

O clássico distópico de ficção científica foi retirado por motivos que englobam insensitividade, nudez, racismo, ponto de vista religioso, ser sexualmente explícito. Admirável Mundo Novo é a história de Bernard, mas é mais conhecida pela sociedade criada pelo autor, regida pela promiscuidade e projetada geneticamente, dividida em castas que nunca se misturam e são felizes exatamente como são. E, apesar de provavelmente estar em algum lugar da lista de motivos para banir o livro, fiquei impressionada pela ausência de “uso de drogas” nos mais citados, porque convenhamos, tem mais Soma do que sexo nesse livro. P.S.: Eu entendo que linguagem explicitamente sexual incomode algumas pessoas em livros, mas como, exatamente, “nudez” é um problema na literatura? Não dá pra ver nada, gente. Letras não usam roupas.
(Bentinho está nu.)

Viu? Não, não viu. Leu.

The Hunger Games | Jogos Vorazes – Suzanne Collins

Ponto de vista religioso, Impróprio para grupo etário, anti-étnico, anti-família, insensitividade, linguagem ofensiva, ocultismo/satanismo, violência.

A obra de Suzanne Collins segue Katniss Everdeen, uma adolescente que, para salvar a irmã mais nova, se oferece para participar dos Jogos Vorazes, um evento no qual jovens de vários distritos lutam até restar apenas um. Não há muita coisa que se precise falar sobre a obra hoje em dia; THG é um sucesso concreto há anos. No entanto, vale ressaltar que eu não entendi o que é o ocultismo e o satanismo nesses livros. As crianças são na verdade sacrifícios para o demônio? Who knows.

CAPA_Harry_Potter_Pedra_FilosofalHarry Potter – J. K. Rowling

A maior razão para o banimento de Harry Potter e sua constante presença na lista de livros mais retirados de bibliotecas é “Ocultismo/Satanismo”. Não querendo tirar o mérito de quem fez essas alegações (ou querendo, quem sabe?), POR QUE, EXATAMENTE, o que mais se critica nesse livro é a BRUXARIA, quando o ABUSO INFANTIL entra em cena muito antes de qualquer magia? Vejo Harry ser escravizado, maltratado, verbalmente agredido, deixado PASSANDO FOME e sendo forçado a dormir NO ARMÁRIO DEBAIXO DA ESCADA antes de ver qualquer vislumbre de Hogwarts. Just saying.

E, agora que terminei a lista, vamos falar sério, mas só um pouco. Praticamente todo leitor, em algum momento da vida, teve um livro retirado de suas mãos ou sua leitura negada porque “não prestava” por algum motivo. Pessoalmente, eu não acredito em censurar livros desse jeito. Eu prefiro acreditar em diálogo aberto entre pais/responsáveis e filhos sobre o conteúdo desses livros. Talvez alguns dos termos traduzidos esteja incorreto e seu significado não seja exatamente o que se tornou na tradução, mas o grosso das motivações é bem claro, e em alguns casos me incomoda demais – principalmente em Harry Potter. Para a maioria das pessoas que tentou retirar ou retirou esse livro de alguma biblioteca, Harry era mais culpado por ser bruxo do que seus tios, por praticarem abuso infantil. Eu fico ao lado dos bruxos contra pessoas que maltratam crianças any day.

Para mais informações sobre a semana de livros banidos, visite o site da ALA.


Já está nos seguindo no Twitter e no Facebook? Vem trocar uma idéia com a gente também no Botecão do Jack, nosso grupo no Facebook. Se quiser algo mais portátil, corre pro Telegram.

Comentários